Potássio sérico

Este teste mede os níveis séricos de potássio, o cátion intra-celular mais importante. O potássio mantém o equilíbrio osmótico celular e a atividade muscular, a atividade enzimática e o equilíbrio ácido básico. Ele também influencia a função renal. O corpo não possui um método eficiente de conservação de potássio; os rins excretam quase todo o potássio ingerido, mesmo quando os níveis séricos de potássio estejam diminuídos. É muito comum a deficiência de potássio desenvolver-se rapidamente. É essencial a ingestão através da dieta de, pelo menos, 40 mEq/dia.

Objetivos

Avaliar sinais clínicos de excesso de potássio (hipercalemia) ou depleção (hipocalemia).

Monitorar a função renal, o equilíbrio ácido básico e o metabolismo da glicose.

Avaliar desordens neuromusculares e endócrinas.

Detectar a origem de arritmias cardíacas.

Preparação do paciente

Jejum de 4 horas.

Valores de referência

Método: fotometria de chama / eletrodo íon-específico.

Normalmente, os níveis de potássio sérico variam de 3,5 a 5,0 mEq/L.

Achados anormais

Níveis séricos de potássio anormalmente altos são comuns em pacientes com queimaduras, ferimentos de esmagamento, cetoacidose diabética ou IM. A hipercalemia pode também indicar excreção reduzida de sódio, possivelmente em razão de insuficiência renal ou mal de Addison.

Valores de potássio abaixo do normal, com freqüência, resultam de aldosteronismo ou síndrome de Cushing, perda de fluidos corpóreos (como em terapia diurética de longa duração) ou ingestão excessiva de alcaçuz. Apesar dos valores séricos e sintomas clínicos poderem indicar um desequilíbrio de potássio, um ECG permite um diagnóstico definitivo.

Exames correlatos

Sódio, cloro, uréia, creatinina.