Hormônio da paratireóide (PTH) 

O hormônio da paratireóide (PTH) regula a concentração plasmática de cálcio e fósforo. Seu efeito global é o de elevar os níveis plasmáticos de cálcio, enquanto diminui os níveis de fósforo. 

Existe PTH circulante em três formas moleculares distintas: a molécula de PTH intacta, que se origina nas paratireóides e duas formas circulantes menores: fragmentos N-terminais e fragmentos C-terminais. Atualmente, há dois radioimunoensaios disponíveis para detectar PTH intacto e os fragmentos N e C-terminais. Ambos os testes podem ser usados para confirmar o diagnóstico de hiperparatireoidismo ou hipoparatireoidismo. 

Cada teste também tem outras aplicações específicas. O ensaio de PTH C-terminal é mais útil no diagnóstico de perturbações crônicas no metabolismo de PTH, como o hiperparatireoidismo secundário e terciário; ele também diferencia melhor hiperparatireoidismo ectópico de primário. O ensaio para PTH intacto e o fragmento N-terminal refletem com mais precisão alterações agudas no metabolismo de PTH e, portanto, são úteis na monitoração da resposta do paciente à terapia de PTH. 

Os efeitos clínicos e diagnósticos de excesso ou deficiência de PTH relacionam-se diretamente aos efeitos de PTH nos ossos e túbulos renais e à sua interação com cálcio ionizado e vitamina D biologicamente ativa. Portanto, a medição dos níveis séricos de cálcio, fósforo e creatinina com PTH sérico é útil para entender as causas e efeitos na função paratireoideana patológica.

O PTH-rP é a proteína relacionada ao paratormônio, cujos nívies estão elevados em aproximadamente 70% dos pacientes com hipercalcemia associada à tumores. 

Objetivo

Auxiliar no diagnóstico diferencial de distúrbios paratireoideanos. 

Preparação do paciente

Jejum de 8 horas. 

Valores de referência

Método: ensaio imunoquimioluminométrico.

PTH intacto: 10 a 65 pg/ml.

PTH-rP: inferior a 1,35 pMol/l.

Fração N-terminal: 8 a 24 pg/ml.

Fração C-terminal: 50 a 330 pg/ml. 

Achados anormais

Medidos concomitantemente com os níveis séricos de cálcio, os valores de PTH anormalmente alterados podem indicar hiperparatireoidismo primário, secundário ou terciário; má absorção de cálcio; deficiência renal crônica; deficiência de vitamina D ou raquitismo. Os níveis de PTH anormalmente baixos podem resultar de hipoparatireoidismo, doença de Graves, sarcoidose, intoxicação de vitaminas A ou D ou determinadas doenças malignas. 

Exames correlatos

Cálcio, fósforo, fosfatase alcalina.