Fator antinúcleo (FAN) 

Em determinadas condições, como lúpus eritematoso sistêmico (LES), esclerodermia e algumas infecções, o sistema imunológico do corpo pode considerar porções dos núcleos de suas próprias células como estranhos e podem produzir anticorpos antinucleares (ANA). Os ANAs específicos incluem anticorpos para DNA, nucleoproteína, histonas, ribonucleoproteína nuclear e outros constituintes nucleares. Os ANAs são inofensivos, porém, podem algumas vezes formar complexos antígeno-anticorpo que causam comprometimento tecidual (como no LES). Por causa do envolvimento de órgãos múltiplos, os resultados do teste não são diagnósticos e podem confirmar apenas parcialmente a evidência clínica. 

Objetivos

Rastrear com relação a LES (o fato de não detectar o ANA essencialmente descarta LES).

   Monitorar a eficácia da terapia imunossupressora para LES. 

Preparação do paciente

Jejum não necessário. 

Valores de referência

Método: imunofluorescência direta em fígado de rato.

Título menor que 1/20. 

Método: células HEp-2.

Título menor que 1/40.

Achados anormais

Apesar deste teste ser um identificador sensível de ANA, ele não é específico para LES. Baixas titulações podem ocorrer em pacientes com doenças virais, doença hepática crônica, doença vascular de colágeno, doenças autoimunes e em alguns adultos sadios; a incidência aumenta com a idade. Quanto mais alta a titulação mais específico é o teste para LES (a titulação freqüentemente excede 1:256). 

O padrão de fluorescência nuclear ajuda a identificar o tipo de doença imune presente. Um padrão periférico é quase exclusivamente associado com LES, porque ele indica a presença de anticorpos anti-DNA; os anticorpos anti-DNA são algumas vezes medidos por radioimunoensaio se as titulações de ANA forem altas ou um padrão periférico for observado. Um padrão homogêneo ou difuso é também associado com LES, bem como com desordens relacionadas com tecido conectivo; um padrão nucleolar, com esclerodermia e um padrão pontilhado irregular com mononucleose infecciosa e desordens mistas do tecido conectivo misto (por exemplo, LES e esclerodermia). 

Exames correlatos

Fator reumatóide (FR), proteína C reativa (PCR), velocidade de hemossedimentação (VHS), complemento total e frações.