Estradiol 

O estradiol e a progesterona são secretados pelos ovários e são responsáveis pelo desenvolvimento de características sexuais femininas secundárias e pela menstruação normal. Esses hormônios são secretados pelas células foliculares ovarianas durante a primeira metade do ciclo menstrual e pelo corpo lúteo durante a fase lútea e durante a gravidez. Na menopausa, a excreção de estrógeno cai a um nível baixo e constante. 

Este radioimunoensaio mede níveis séricos de estradiol que, em conjunto com estrona e estriol, constituem as frações dos estrógenos que aparecem no soro em quantidades mensuráveis, que têm significado diagnóstico na avaliação da disfunção gonadal feminina. Podem ser solicitados testes de função hipotalâmica-pituitária para confirmar o diagnóstico. 

Objetivos

   Determinar a maturidade sexual, fertilidade e menopausa.

Auxiliar no diagnóstico da disfunção gonadal: puberdade precoce ou tardia, distúrbios menstruais ou infertilidade.

   Determinar bem estar fetal.

Auxiliar no diagnóstico de tumores secretores de estrógeno. 

Preparo do paciente

Jejum de 4 horas. 

Valores de referência

Método: Ensaio imunofluorométrico.

Os níveis séricos normais de estradiol para mulheres na fase de pré-menopausa variam amplamente durante o ciclo menstrual:

Fase folicular: 1,0 a 30,0 ng/dl (37 a 1100 pmol/l).

Pico ovulatório: 15,0 a 60,0 ng/dl (550 a 2200 pmol/l).

Fase lútea: 5,0 a 30,0 ng/dl (183 a 1100 pmol/l).

Menopausa: inferior a 3,0 ng/dl (inferior a 110 pmol/l).

Sexo masculino (adultos): 1,0 a 6,0 ng/dl (37 a 220 pmol/l). 

Achados anormais

Os níveis diminuídos de estrógeno podem indicar hipogonadismo primário ou disfunção ovariana, como na síndrome de Turner ou na agenesia ovariana; hipogonadismo secundário, como no hipopituitarismo; ou menopausa.

Podem ocorrer níveis anormalmente altos com tumores produtores de estrógeno em doença fibrocística, na síndrome de Stein-Leventhal, na puberdade precoce ou doença hepática grave, como a cirrose, que impede o clearance de estrógenos plasmáticos. Níveis altos também podem resultar de hiperplasia adrenal congênita (conversão aumentada de andrógenos em estrógenos). 

Exames correlatos

Progesterona, hormônio folículo-estimulante (FSH), hormônio luteinizante (LH).