Complemento Total e Frações (CH50, C3 e C4) 

O complemento é um termo coletivo para um sistema de pelo menos 20 proteínas séricas que destroem células estranhas e ajudam a remover materiais estranhos. A deficiência de complemento pode aumentar a susceptibilidade à infecção e pode predispor o paciente a outras doenças. Portanto, os ensaios de complemento são indicados em pacientes com doença imunomediada conhecida ou suspeitada ou com resposta repetidamente anormal à infecção. Diversos métodos de laboratório são utilizados para avaliar e medir o complemento total e seus componentes; o teste hemolítico, a nefelometria a laser e imunodifusão radial são os mais comuns. 

Apesar dos testes de complemento fornecerem informação valiosa sobre o sistema imune do paciente, os resultados devem ser considerados à luz de testes de auto-anticorpo e imonuglobulina sérica para o diagnóstico definitivo de doença imunomediada ou resposta anormal à infecção. 

Objetivos

Auxiliar a detectar doença imunomediada e deficiência genética de complemento.

   Monitorar a eficácia da terapia. 

Preparação do paciente

Jejum de 4 horas. 

Valores de referência

Complemento total (CH50): 170 a 330 U/ml.

Método: técnica de Wadsworth e Maltaner. 

Fração C3: 88 a 201 mg/dl.

Método: Nefelometria.

Fração C4: 16 a 47 mg/dl.

Método: Nefelometria. 

Inibidor de C1q esterase: 10 a 25 mg/dl.

Método: Imunodifusão radial. 

Achados anormais

As anormalidades de complemento podem ser genéticas ou adquiridas, sendo as adquiridas as mais comuns. Níveis deprimidos de complemento total (clinicamente mais significativos do que as elevações) podem resultar de formação excessiva de complexo antígeno-anticorpo, síntese insuficiente de complemento, formação de inibidor ou catabolismo aumentado de complemento e são característicos em lúpus eritematoso sistêmico (LES), glomerulonefrite pós-estreptocócica aguda e doença sérica aguda. Os baixos níveis também podem ocorrer em pacientes com cirrose hepática avançada, mieloma múltiplo, hipogamaglobulinemia e aloenxertos rapidamente rejeitados. 

O complemento total elevado pode ocorrer em icterícia obstrutiva, tireoidite, febre reumática aguda, artrite reumatóide, infarto agudo do miocárdio, colite ulcerativa e diabetes. 

A deficiência do inibidor da C1q esterase é característica em angioedema hereditário, a anormalidade genética mais comum associada ao complemento; a deficiência de C3 é característica em infecção piogênica recorrente; a deficiência de C4 é característica em LES. 

Exames correlatos

Antiestreptolisina O (ASLO), fator antinúcleo (FAN).