Anticorpos anti-tireóide 

Em desordens autoimunes, tais como a tireoidite de Hashimoto e doença de Graves (hipertireoidismo), a tiroglobulina, o principal composto de armazenamento coloidal, é liberada para dentro do sangue. Os anticorpos anti-tiroglobulina são criados para atacar essa substância estranha e a conseqüente resposta autoimune danifica a glândula tireóide.  

Objetivo

Detectar anticorpos anti-tiroglobulina circulantes quando a evidência clínica indica tireoidite de Hashimoto, doença de Graves ou outras doenças da tireóide. 

Preparo do paciente

Jejum de 4 horas. 

Valores de referência

Método: Ensaio imunoflourométrico.

Positivo: igual ou acima de 40 U/ml. 

Achados anormais

A presença de anticorpos anti-tiroglobulina ou anti-microssomal no soro pode indicar doença da tireóide autoimune subclínica, doença de Graves ou mixedema idiopático. Altas titulações, que podem estar em milhões, enfaticamente, sugerem tireoidite de Hashimoto.

Tais anticorpos podem, também, ocorrer em alguns pacientes com outras desordens autoimunes, tais como lupus eritematoso sistêmico, artrite reumatóide e anemia hemolítica autoimune. 

Exames correlatos

Triiodotironina (T3) e tetraiodotironina ou tiroxina (T4).